Divulgação/Jaci Lima

O Sesc Ler Belo Jardim, no Agreste do Estado, apresenta entre esta quarta (03) e quinta (04) o espetáculo de dança “O Idioma das Árvores”. A peça será apresentada na Mostra de Artes Lagoa do Capim, na Unidade, com entrada gratuita e classificação indicativa de 12 anos. O espetáculo tem concepção e direção de Adriano Paiva e conta com quatro intérpretes, também chamados de pesquisadores: Brendo Lima, Daniel Alves, Ianka Martins e Marilia Azevedo.

Em “O Idioma das Árvores”, os intérpretes se utilizam de propostas corporais para criar seus personagens e, assim, fazerem uma viagem pelo universo da poesia, do sonho, na natureza feminina e da vida. De acordo com Breno Lima, o espetáculo transmite leveza e sensação de liberdade. “Quando danço, consigo esquecer meus problemas, me energizando a cada movimento e partitura”, explica. Ianka Martins afirma que “O Idioma das Árvores” é uma mistura de loucura e realidade. “Ele passeia entre os sonhos mais profundos, desejos, sensações e poesia. É nesse processo que me encontro, onde os meus maiores sentimentos são postos para fora em uma linguagem sem lógica”, conta.

A exposição “Poesia Muda”, de Joyce Torquato, foi um dos motes do espetáculo. Sua produção artística vem da leitura da poesia, e, a partir daí, cria poemas sem palavras, mas com lápis e tintas. Este estilo provocou nos intérpretes a vontade de criar uma encenação em que a poesia não é construída com palavras, mas com o movimento. “O Idioma das Árvores” não conta uma história e nem traça uma narrativa. Prefere aproximar corpo e palavra, dança e poesia pelas conexões intersemióticas para chegar ao humano e suas escolhas e relações afetivas”, explica o diretor Adriano Paiva.

print