*Atualização às 16h57 do dia 4 de fevereiro, com correção: o nome do conselheiro tutelar Ademilton dos Santos, que inicialmente foi citado nesta matéria, não aparece nas imagens. Portanto, o seu nome foi removido do texto. 

Reprodução / Whatsapp

Fotos enviadas através do aplicativo de mensagens Whatsapp para a reportagem do BJ1, nesta segunda-feira (4), mostram quatro dos cinco conselheiros tutelares de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, incluindo o presidente, Maciel Alves da Silva, em uma festa regada a bebidas alcoólicas, comidas e som. O problema é que nas imagens aparece o carro do Conselho Tutelar, que deveria ser usado exclusivamente para os serviços referentes aos serviços do Conselho.

De acordo com informações apuradas pela reportagem do BJ1, a festa ocorreu no dia 30 de dezembro, em uma confraternização dos conselheiros no sítio particular do presidente Maciel Alves, no distrito de Serra do Vento, mas as fotos só foram divulgadas nesta segunda. Os outros conselheiros presentes na festa eram Cláudio Silva Alves, Marcos Washington Alves dos Santos e Waldemar, além de dois motoristas do conselho, que são primos do prefeito Hélio dos Terrenos (PTB).

Reprodução / Whatsapp

Como mostram as imagens, na mesa onde os conselheiros estavam tinha latas de cervejas, um litro de rum e uma garrafa de vinho com batida.

Em entrevista a uma emissora de rádio da cidade, para tentar se justificar após a repercussão do caso, o presidente do Conselho Tutelar disse que o fato ocorreu no ano passado durante a confraternização e que não foi no horário de expediente. Ele afirmou também não ser da índole do presidente do Conselho Tutelar usar desse tipo de artificio, de “sair com o carro oficial do conselho para farras na zona rural e em bebedeiras”.

Porém Maciel não explicou por qual motivo o carro do Conselho Tutelar estaria em seu sítio particular sendo usado em horário fora do expediente e em uma festa de confraternização regada a bebidas alcoólicas.

A reportagem do BJ1 questionou a Promotoria de Justiça de Belo Jardim com relação ao caso e aguarda uma resposta do Ministério Público local.

print