Reprodução

Previdência privada, títulos de capitalização e afins são estratégias para garantir dinheiro extra no futuro ou em emergências. Só que se preocupar apenas com a vida financeira não é garantia de nada. Afinal, não é exagero dizer que a saúde é o maior dos bens. O ideal é que esse comprometimento seja acompanhado por uma mudança de hábitos. Deixar o sedentarismo para trás e se alimentar da maneira saudável são as mais urgentes. Mas não mais importante que dormir bem e eliminar o estresse do dia-a-dia.

“As doenças que mais matam são as cardiovasculares e o câncer. Só para se ter uma ideia, se uma pessoa adotasse hábitos saudáveis, mantendo os fatores de risco (como obesidade, tabagismo, diabetes e hipertensão arterial) em níveis ótimos, reduziria o risco de infarto em 80%”

– Marcelo Katz, cardiologista da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

O melhor é que não há idade para começar a se cuidar, apesar da precocidade ser um fator importante. Estudos mostram que indivíduos que passaram a se exercitar aos 60 anos têm expectativa de vida maior que a de sedentários com a mesma idade. “As pessoas se preocupam em economizar, planejam sua aposentadoria, mas se esquecem de que precisam também de uma poupança de saúde”, concluiu o especialista.

print