O delegado do município, João Carlos afirmou que a investigação está em andamento e aguarda o laudo da perícia. Foto: Reprodução / TV Jornal

A Delegacia de Polícia Civil de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, está investigando o caso de um bebê que nasceu morto no Hospital Júlio Alves de Lira, no último dia 26 de julho. Familiares da criança afirmam que os funcionários do HJAL foram negligentes no atendimento.

O delegado do município, João Carlos, afirmou em entrevista à TV Jornal que a investigação está em andamento e agora aguarda o laudo da perícia. “A gente vai ter que apurar os motivos desse falecimento logo em seguida, e ainda que ele tenha nascido morto, saber se essa morte foi decorrente da prematuridade ou se essa morte foi decorrente dos procedimentos que foram tomados pelas pessoas responsáveis do trabalho de parto”, disse.

De acordo com a amiga da família, Elizabete Porto funcionários pediram para que a família não fizessem laudo médico. “Eles disseram que não era necessário, não precisava, e que seria só questão burocrática. E aí a família disse não, a gente quer saber a causa da morte da criança”, contou.

Por meio de nota, o Hospital Júlio Alves de Lira informou que a paciente deu entrada na unidade no dia 26 de julho de 2018, às 17h30, com o quadro de gestação e reclamando de dores. Ela foi atendida por uma enfermeira e um médico plantonista dos quadros do município. De acordo com o hospital, foram tomadas as providências necessárias e a paciente ficou em observação até 22h, quando começou a reclamar de dores.

Segundo a unidade de saúde, foram realizados novos exames, que constataram a abertura do colo do útero. Em seguida, ainda de acordo com o hospital, ela entrou em trabalho de parto e a criança nasceu morta. A unidade de saúde diz ainda que irá abrir uma sindicância e outros procedimentos internos para averiguar a existência de qualquer irregularidade no caso.

Com informações da TV Jornal.

print