Alexandre de Morais Hissa/ Divulgação PF

A Polícia Federal de Pernambuco deflagrou na manhã desta terça-feira (24) a segunda fase da operação Impunitas, que tem o objetivo de desarticular uma quadrilha que usava laranjas, empresas de fachada e documentação para conseguir empréstimos no Banco do Nordeste de dinheiro proveniente do Fundo Constitucional de Desenvolvimento do Nordeste. O crime resultou em um prejuízo estimado em R$ 8 milhões e meio. 

Sandro Alves de Moura Júnior/ Divulgação PF

Ao todo foram expedidos dois mandados de prisão preventiva contra Alexandre de Morais Hissa, de 39 anos, que é funcionário do banco e chefe da quadrilha e contra o empresário Sandro Alves de Moura Júnior, de 30 anos, que não foram localizados e estão foragidos e mais 10 mandados de busca e apreensão nos municípios de Caruaru, Surubim, Toritama, Jaboatão dos Guararapes e no Cabo de Santo Agostinho. Nos locais foram apreendidos celulares, mídias de computador, documentos e veículos. 

A primeira fase da operação aconteceu em junho de 2019, quando foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e sequestro de bens. Os crimes investigados são de gestão fraudulenta de instituição financeira, lavagem de dinheiro e associação criminosa, cujas penas ultrapassam os 10 anos de reclusão. 

A PF destaca que qualquer informação dos dois suspeitos, as pessoas podem entrar em contato através do Disk-denúncia, através do telefone 81 3421-9595. O anonimato é garantido. 

print