Belo Jardim, Mundo

Belo-jardinense viaja o mundo, realiza sonhos e inspira pessoas

Redação BJ1 10/08/2017 - 10h10

« Série Especial – BJ1 »

Viajante belo-jardinense já conheceu 16 países em três continentes. Foto: Arquivo pessoal.

Ela tem uma meta: conhecer as Sete Maravilhas do Mundo Moderno. Dessa lista, só faltam duas agora. Milene Nicole, 32 anos, professora de línguas, é uma belo-jardinense que adora colecionar carimbos no passaporte. Mas não é só isso: cada novo destino é cheio de emoção, aventuras e descobertas.

O amor pela estrada começou cedo, quando Milene descobriu seu interesse por estudar novas idiomas. Pensando nisso, ela decidiu ir fazer um intercâmbio de espanhol na Argentina. “E, pela primeira vez, sozinha e sem ter ideia do que me esperava fui passar um mês em Buenos Aires, estudando em uma escola de idiomas e vivendo em um albergue com pessoas de todo o mundo e claro, muitos brasileiros”, conta a viajante com exclusividade para o BJ1.

Esse seria o primeiro passo para uma longa jornada que começou na América do Sul, passando por lugares paradisíacos, como a Patagônia Chilena e Argentina, os desertos do Atacama e do Sal, na Bolívia; Peru e até as praias deslumbrantes do México, na América do Norte.

Depois disso, a belo-jardinense arriscou voos mais longos e destinos mais distantes, como a Europa, entre a França, Itália, Holanda, Turquia, Grécia; na Ásia, ela coleciona os carimbos da China, Tailândia, Indonésia, Malásia, Singapura e Camboja.

A professora de idiomas fez um blog para compartilhar experiências. Foto: Arquivo pessoal.

Lugares mais marcantes

Blogger de BJ coleciona fotografias deslumbrantes. Foto: Arquivo pessoal.

Com destinos tão fantásticos, fica difícil definir qual foi o que mais lhe agradou: “Confesso ter uma queda por lugares mais exóticos, menos clichês, com uma cultura totalmente diferente, que possam me acrescentar algo.

A Europa é incrível, carregada de história, o novo e o velho lado a lado, monumentos gigantescos sempre marcando algum feito, alguma conquista. A Itália é um charme, Paris é um encanto, Amsterdam e sua liberdade. A Turquia nem parece Europa, carregada de história cristã, mas hoje totalmente muçulmana. E a Capadócia que mais parece um conto de fadas”.

A belo-jardinense não poupa elogios a outros lugares. “A América do Sul é minha queridinha, calor do sangue latino, da música, as paisagens surreais dos desertos do Atacama e Uyuni são de tirar o fôlego. A Tailândia e seus templos e suas praias paradisíacas, a Indonésia e seu povo humilde e acolhedor”, define Milene, que prefere concluir: “não consigo realmente responder essa pergunta com apenas um lugar”.

Porém, depois de percorrer 16 países distribuídos em três continentes, a professora confessa que conhecer a Muralha da China era um sonho antigo.

Depois de “uma conexão de 20h, na minha viagem para o Sudoeste asiático, eu pude realizá-lo. Foi realmente incrível estar ali, do outro lado do mundo, vendo de perto e caminhando sobre uma das sete maravilhas do mundo moderno”, derrete-se.

Micos e perrengues

Segundo a viajante, os micos são algo comum quando estamos em uma cultura muito diferente. Prova disso é o mais recente que ela passou: “não sei se contando aqui vai ter graça, mas vamos lá. Foi na Tailândia, quando estávamos visitando a cidade histórica de Ayutthaya perto de Bangkok. Eu faço tudo por uma foto e antes de viajar sempre olho as redes sociais de viagens pra me inspirar. Em um deles vi uma foto de uma menina em uma das estátuas do Buda inclinado, e achei muito legal e pensei: quero uma foto assim. Então, cheguei em Ayutthaya já na expectativa de chegar no Buda Inclinado e tirar uma foto deitada “igual” a ele. Mas imitar a posição do Buda, é super, hiper, mega proibido (acho que havia esquecido desse detalhe). E lá estou eu, deitada “igual” ao Buda, quando então algumas das meninas locais que estavam ali me deram um super e desesperador grito, eu dei um pulo, levantei correndo e toda desconfiada. Não consegui tirar a foto que eu queria, e depois elas ficaram de olho em mim, em cada movimento que eu fazia, foi constrangedor e cômico”, diverte-se.

Já os perrengues também fazem parte dos roteiros, mas nada que tenha frustrado o resultado final das trips. “Já fui enganada por taxista (quem nunca?), já fiquei sem dinheiro num país por não ter trocado a moeda e ter parado num lugar que não estava programado e assim ter dormir em lugares bem desconfortáveis justamente porque não tinha o dinheiro. Já deixei para comprar voo ao chegar no lugar e não ter o voo de jeito nenhum e assim deixar de conhecer algo que estava programado. Enfim, algumas situações fora do planejado, mas nada que estragasse a viagem”.

Dicas para viajar

Milene Nicole faz questão de compartilhar suas dicas de viagem no seu blog ‘Mochilão de Rodinhas’ e está cansada de receber perguntas a respeito dos gastos e condições para embarcar. A viajante é clara: “eu sou a prova viva que não é preciso ser rica para viajar”.

A professora lembra ainda que o custo das férias depende muito dos lugares, tipos de hospedagem e época do ano. “É importante tentar fechar tudo com antecedência, para ter mais opções. Mas para quem pode viajar em meses como abril/maio e setembro/outubro, é só ficar de olho nas várias promoções de passagem aéreas. E ainda tem a vantagem das temperaturas em muitos lugares serem mais agradáveis”, ensina.

E, se você nunca saiu do Brasil, mas tem muita vontade, ela aconselha: “uma boa forma de começar, é escolher um lugar aqui na América do Sul, onde os costumes são muito parecidos com os nossos, com a língua espanhola que torna a comunicação mais fácil e além do que tem sempre tantos brasileiros que até parece que a gente não saiu do Brasil. Além dos custos com alimentação, hospedagem e passagens serem bem mais baixos. Depois que a gente passa pela primeira experiência as próximas vão ficando mais simples”, garante, mas depois adverte: “o frio na barriga vai sempre existir, afinal, o desconhecido assusta, mas quando a gente chega lá, vê que é mais simples do que pensávamos”.

Next Stop

Quem é viciado em viagens está sempre programando a próxima parada e com a belo-jardinense não poderia ser diferente, além de realizar um intercâmbio de inglês, a blogger planeja: “tenho alguns desejos em mente, mas no momento o que mais me apetece é o oriente médio: Egito, Jordânia, Israel e se der para encaixar a Índia, eu encaixo. Tenho um desejo de conhecer as Sete maravilhas do mundo moderno, e só faltam duas: o Taj Mahal (Índia) e Petra, na Jordânia”.

Acompanhe as aventuras dessa belo-jardinense pelo Mundo no blog Mochilão de Rodinhas e no Instagram @milenenicole. E, você, gostaria de conhecer quais lugares do mundo?

« É da Terra. É de Belo Jardim. É nosso Orgulho. »