(Foto: Reprodução/Facebook).

O decorador responsável pelos enfeites natalinos de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, enviou uma carta à central de jornalismo da Rádio Bitury/portal BJ1, revelando detalhes sobre o que foi acordado com a prefeitura para a decoração do município. De acordo com ele, os serviços foram contratados no valor de R$ 36 mil e a prefeitura não exigiu nota fiscal.

Segundo o profissional, o prefeito Hélio dos Terrenos teria mando comprar o material para os enfeites “fiado” em uma loja de material de construção, na Cohab I. Por fim, ele relata que alertou o prefeito afirmando que a decoração de madeira não iria prestar, e ouviu pessoalmente do chefe de gabinete de Hélio dos Terrenos, Ivanildo de Assis, as seguintes palavras: “Não vou gastar dinheiro com besteira, o povo que se dane”.

A decoração natalina deste ano do município foi alvo de críticas e piadas nas redes sociais. Por conta de grande repercussão, a prefeitura determinou que os enfeites natalinos fossem retirados.

Veja a íntegra da carta enviada pelo decorador:

“Eu venho por meio deste esclarecer a população [de Belo Jardim] que fiz a decoração [de Natal]. Foi decidido que seria feita por eu, Jorge, e Joselito, nós cobramos no orçamento o valor de R$ 36 mil para decorar toda a cidade. Joselito tem CNPJ e eu não tenho, não pediram documento nem nota fiscal. Tinha de ser feita uma licitação, o prefeito Hélio dos terrenos e Ivanildo [de Assis, chefe de gabinete do prefeito] me mandaram comprar madeira fiado em Paulinho [proprietário de loja que vende madeiras]. A compra foi feita e paga. Milagre, acredito que na próxima vez não vão pagar, pois o costume é esse. Ligaram para Silvio [Romerio, secretário de Cultura], Ivanildo esculhambando e mandando ele [Silvio] deixar o cargo, pois ele não fazia nada. A Secretaria de Cultura tem um grande artista, por que não mandaram ele fazer? Eles pensavam que eu iria assinar nota fria, não assino, porque minha criação é outra. Agora, Cecílio [Galvão, secretário de Governo] que dar uma de direto, para ele ser direito, ele tem que pagar. Se não pagará nas urnas! Eu disse: [decoração] de madeira não vai prestar, sem a decoração de Joselito. Ele [Ivanildo de Assis, chefe de gabinete de Hélio] disse: ‘não vou gastar dinheiro com besteira, o povo que se dane’.”

A Assessoria de Comunicação e Imprensa da Prefeitura de Belo Jardim foi contatada pela reportagem do BJ1, mas não enviou nota até a publicação desta matéria.

Imprimir