MPPE requer na Justiça conclusão das obras do hospital de Belo Jardim

Belo Jardim

Do G1 Caruaru

 (Foto: Reprodução/TV Asa Branca)
(Foto: Reprodução/TV Asa Branca)

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) entrou com uma ação civil pública na Justiça para pedir o afastamento provisório do prefeito de Belo Jardim, João Mendonça Bezerra Jatobá, e da secretária de Saúde do município, Silvia Renata do Nascimento Bezerra, com a determinação de que seja cumprido o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em execução, para que as obras do Hospital Regional Júlio Alves de Lira sejam concluídas.

Por telefone, o G1 tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa da prefeitura para obter uma posicionamento, mas as ligações não foram atendidas. O G1 deixou uma mensagem em um perfil da prefeitura em uma rede social e – até a publicação desta matéria – não recebemos resposta.

O TAC foi assinado há dois anos e a reforma da unidade de saúde não foi concluída. Ainda segundo o MPPE, a auditoria da Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco também detectou irregularidades financeiras na gestão da saúde de Belo Jardim, com pagamentos de empenhos e a devida comprovação dos serviços e produtos correspondentes no valor de R$ 983.582,67.

De acordo com o promotor de Justiça Leôncio Tavares Dias, há “documentos que confirmam que mantiveram-se [no hospital], em Belo Jardim, as irregularidades quanto à estrutura”. Falhas nos serviços, segurança e higiene da unidade também foram apontadas pelos promotor.

No dia 26 de janeiro, o ABTV 2ª ediçãomostrou uma reportagem sobre a não conclusão das obras do hospital. Desde a interdição – realizada em janeiro de 2015 pelo Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) – a população passou a ser atendida na policlínica do município.

Com o aumento dos casos de virose, os atendimentos na policlínia de Belo Jardim aumentaram. “Antes recebíamos de 150 a 170 pessoas e hoje chegamos a 650 atendimentos por dia”, informou a diretora da unidade, Ivanilda Melo.

Ao ABTV, o secretário de Obras do município justificou a demora da conclusão das obras. “Nós não estamos fazendo uma reforma, mas sim construindo de fato um novo hospital. Deveremos estar entregando a unidade de saúde até o final de fevereiro deste ano”, disse Nildomar Santana.

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *