Moradora denuncia ocupação de calçada sem autorização na Festa das Marocas

Destaque

De acordo com ela, a estrutura foi colocada no local sem nenhum tipo de autorização, atrapalhando inclusive os portões de entrada e da garagem do imóvel

Foto: Reprodução / Whatsapp

Uma moradora da rua Coronel Antônio Marinho, local onde está sendo realizada a 48° edição da Festa das Marocas, divulgou através das redes sociais seu descontentamento com a total ocupação da calçada da residência onde mora, que foi ocupada com parte da estrutura do palco onde acontecem os shows do evento, além de muito lixo espalhados por toda frente da casa.

Leia também:

1º dia das Marocas marcado por frágil segurança na entrada da festa e incidente com Carro da Pitú.

Interdições e pouca orientação no trânsito atrapalham motoristas durante as Marocas 2018. 

No dia de abertura, Marocas 2018 está sem decoração e com estruturas ainda em montagem. 

Barraqueiros reclamam do alto preço cobrado para trabalhar nas Marocas 2018.

Desorganização: Julho chegou e prefeitura ainda não divulgou nada sobre as Marocas.

De acordo com ela, a estrutura foi colocada no local sem nenhum tipo de autorização, atrapalhando inclusive os portões de entrada e da garagem do imóvel. “Em nenhum momento fui consultada sobre a instalação e ocupação da minha calçada e fechamento total de meu acesso. De quem partiu autorização para liberar meu imóvel para tais instalações e ocupação indevida. Se há interesse da prefeitura ou de quem quer que seja, me colocaria a disposição para tratar desse assunto de forma adequada”, escreveu.

A moradora relatou ainda que precisou dormir em um hotel para poder a noite. “Essa residência é para meu descanso em fins de semana e ocasionalmente para encontro com amigos. Mas diante de tal situação além de não ter acesso a minha residência, tive que me instalar em um hotel para pernoitar”, disse.

Por fim ela relata que irá entrar com um pedido de indenização. “Assim diante disso, e pelo desconforto causado, e o constrangimento que passei com amigos e familiares, quero de alguma forma ser ressarcida de tal situação que não foi por mim causada nem tampouco autorizada”, afirmou.

Como o município encontra-se sem assessores de comunicação e imprensa, a reportagem do BJ1 fez contato pelo telefone fixo da prefeitura, na tentativa de localizar alguém que respondesse pela assessoria e se posicionasse sobre o assunto, mas ninguém foi localizado.

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *