Reprodução

A Segunda Câmara do Tribunal de Contas de Pernambuco julgou nesta quinta-feira (10/11) como irregular a gestão fiscal da prefeitura de Belo Jardim, no agreste do estado, no ano de 2016, época em que João Jatobá era prefeito do município.

A auditoria avaliou os três quadrimestres de 2016 e constatou que o, na época, prefeito estava ultrapassando o limite de despesas com pessoal desde a metade de 2009 e apresentando descontrole durante os anos seguintes, quando esses gastos atingiram um percentual de 65,53% da Receita Corrente Líquida em 2016 e sem adotar nenhuma medida para conter os excessos.

Por causa do descumprimento à Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei Federal nº 10.028/2000, o ex-prefeito foi multado no valor de R$51.975, que corresponde a 30% da soma dos subsídios anuais percebidos.

print