Reportagem/BJ1

O vereador líder da oposição e ex-aluno da Faculdade do Belo Jardim (FBJ), Gilvandro Estrela, realizou na manhã desta quarta-feira (28), uma visita para observar de perto os inúmeros problemas que foram denunciados pelos professores ao longo desta semana. A Autarquia Educacional passa pela pior crise da história.

+ Vídeo: Protesto contra gestão municipal paralisa atividades na Fabeja

No local, Gilvandro constatou a situação precária, boa parte das paredes rachadas e sujas, portas sem trincos, mofadas e quebradas, carteiras em sua maioria com o estofo rasgado, com os braços quebrados, o teto das salas, banheiros e dos corredores com infiltração e mofados, entre outros problemas.

“Vocês [Fabeja] terão o meu apoio irrestrito, mas cabe ao prefeito fazer a parte principal que é repassar o dinheiro, no ano passado eu fiz uma emenda a Lei Orçamentaria Anual (LOA) para 2019, no valor de R$1.800,000 e o senhor [prefeito] não tem repassado os R$ 150 mil/mês, então isso faz com que esse dinheiro faça falta. Além disso, há o aluguel da escola CEM do município que funciona na Fabeja e o senhor está três meses sem pagar”, disse.

Reportagem/BJ1

Após a repercussão das denúncias que foram feitas com exclusividade pelo BJ1, na segunda-feira (26), a direção da faculdade providenciou, por conta própria, um soldador e destinou um funcionário para recuperação das cadeiras que estão quebradas e jogadas em uma sala. Segundo professores, falta carteiras para estudantes assistirem aula.

Os professores e alunos da Fabeja programaram um protesto para a noite desta quarta-feira (28), às 19h, com saída da Escola Bento Américo até o centro da cidade. Veja as fotos:

Reportagem/BJ1
Reportagem/BJ1
Reportagem/BJ1
Reportagem/BJ1
Reportagem/BJ1
Reportagem/BJ1
print