Reprodução/Internet

O ex-prefeito de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, João Jatobá, que foi cassado e condenado por improbidade administrativa, enriquecimento de ilícito, dano ao erário público, pagamento de notas fiscais inidôneas, superfaturamento de obras, pagamento por serviços não executados, fraude em licitação, entre outros crimes. João responde em mais um processo por fraude e poderá pegar de dois a doze anos de prisão.

+ Ex-prefeito cassado é intimado a prestar esclarecimentos ao MP sobre contratação de empresa

Além de João Jatobá, o ex-secretário de finanças, José Barbosa da Silva Filho, conhecido por Barbosinha, responde pelo mesmo processo. Ambos são acusados de utilizar-se, indevidamente, em proveito próprio ou alheio, de bens, rendas e serviços públicos no caso em que envolve o convênio entre a Prefeitura de Belo Jardim e o banco Schaim.

No processo-crime, N° 44-60.2006, o ex-prefeito cassado e condenado e o ex-secretário, são acusados, em fato ocorrido em 17 de março de 2003, durante o 1° seu mandato, por fazer descontos dos empréstimos dos servidores e não repassar para o banco. O valor do desconto à época foi de R$ 521.857,14 durante os anos de 2001 e 2004.

O 1° julgamento do processo será realizado na terça-feira (30), no Fórum Municipal de Belo Jardim. Se condenado, João Jatobá e José Barbosa poderão ser condenados com a pena de reclusão de dois a doze anos.

print