Reprodução/TCE-PE

A reportagem do BJ1 vem recebendo ao longo das semanas diversas denúncias de moradores de diferentes bairros de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, reclamando do serviço de limpeza pública no município. A empresa responsável é alvo de críticas por parte dos belo-jardinenses que estão insatisfeitos, e também foi tema de discussão na Câmara de Vereadores, durante a sessão da terça-feira (13).

De acordo com informações obtidas junto ao Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), o contrato para o ano de 2019 entre a empresa LOKE ALUGUEL DE CARROS & SERVICOS EIRELI – EPP, responsável por realizar a coleta de lixo, limpeza pública, pintura do meio-fio, operação do aterro sanitário e capinação, e a prefeitura de Belo Jardim, é no valor líquido de R$1.836.554,94. Desse montante, já foi pago pelo município, R$1.219.705,11. Resta um débito de R$616.849,83.

O contrato firmado com a empresa de limpeza pública chama atenção, tanto pelo alto valor, quanto pelo péssimo serviço que é realizando pela prestadora.

Reclamações

O vereador Gilvandro Estrela usou a tribuna da Câmara de Vereadores para cobrar da prefeitura e da empresa responsável um mutirão de limpeza nas ruas pavimentadas de Belo Jardim. Segundo ele, as ruas calçadas do município estão tomadas pela terra e poeira.

Um advogado, que reside no Bom Conselho, enviou ao BJ1, uma foto da Praça do bairro tomara pelo lixo e com animais rasgando as bolsas e espalhando a sujeira. Segundo ele, a imagem foi registrada nessa quinta-feira (15).

Cortesia

Um caso semelhante foi constatado no bairro da Cohab II, onde Gilvandro Estrela e a ex-secretária de Obras, Joedna Souza, encontraram muito lixo em um terreno baldio abandonado na Rua II. Nas imagens, é possível ver a situação de abandono da localidade. Quem sofre é a população.

Cortesia
print