Reprodução

Do Mundo Bit

No último domingo, dia 24 de fevereiro, o WhatsApp completou dez anos de vivência. O serviço, que conecta pessoas que todo o mundo, acumula números grandiosos. Como, por exemplo, conseguir atingir a marca de 1,5 bilhão de usuários ativos, fato que foi alcançado no começo de 2018. Mas, como o serviço conseguiu triunfar de forma gigantesca no meio de outras opções, tecnicamente, melhores?

A resposta é: ninguém sabe. Dando uma conferida no passado do aplicativo, podemos entender como ele virou um fenômeno global e aparentemente sólido.

O app democratizou a troca de mensagens ao redor do mundo por não cobrar pelo serviço. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou, no final do passado, que o Brasil tinha 126, 4 milhões de pessoas conectadas a internet em 2017. Deste total, 98% utilizava o celular para acessar a internet com a finalidade de mandar e receber mensagens.

Do Yahoo ao “não” do Facebook
Com 16 anos, o jovem Jan Koum passou a trabalhar como faxineiro em uma mercearia enquanto a mãe obtinha algum dinheiro cuidando de crianças. Como a renda não era suficiente, eles recorreriam a “food stamps”, uma espécie de auxílio-alimentação fornecido pelo governo.

A situação que já não era favorável ficou pior quando a mãe de Jan Koum foi diagnosticada com câncer. A subsistência deles passou a depender da renda por invalidez que ela recebia.

Apesar do momento delicado, Koum tinha algo a seu favor: ele estava no lugar certo. O diminuto apartamento que ele dividia com a mãe ficava em Mountain View, um dos principais celeiros de inovação do Vale do Silício. Por exemplo, a sede do Google fica nessa região.

Porém, foi em outra companhia que a vida de Koum começou a mudar. Em 1997, ele dividia o seu tempo com os estudos na Universidade Estadual de San Jose (largados mais tarde) e um emprego de analista de segurança na Ernst & Young. Certo dia, ele visitou o Yahoo para inspecionar o sistema de publicidade da empresa.

Com a experiência que acumulou trabalhando na empresa, se sentiu confiante para tentar a sorte no Facebook. A resposta? Não. Doeu? Doeu. Mas, anos mais tarde, eles arrancariam bilhões de dólares da companhia de Mark Zuckerberg.

Em 2014, após o serviço ser vendido, dois fundadores do app resolveram sair do projeto e, consequentemente, do Facebook. O pedido de demissão ocorreu em 2018, sob a alegação de ‘insatisfação com os rumos do serviço’. Jan Koum saiu em maio de 2018. Já Brian Acton deixou a empresa cinco meses depois aparentando certo arrependimento com a venda ao Facebook: “eu vendi a privacidade dos meus usuários para um benefício maior. Eu fiz a escolha e um compromisso. E eu vivo com isso todos os dias”, disse.

Linha do tempo

2009: Criado em 24 de fevereiro daquele ano, o WhatsApp foi lançado para aparelhos Android e iPhone que, na época, não eram tão famosos como hoje. Em dezembro daquele ano veio a primeira grande inovação do app: a possibilidade de compartilhar fotos e vídeos. Atualmente, isso é um recurso comum e presente no nosso dia a dia mas, dez anos atrás, isso era algo revolucionário. Já imaginou precisar usar SMS para enviar fotos?

2010: Em junho de 2010 chegou aos usuários, poucos naquela época, o compartilhamento de localização. A função permitiu que fosse possível compartilhar o ponto exato no mapa ou o endereço de sua localização. Além de ser uma ajuda para marcar pontos de encontro com os seus amigos, a função também é um recurso de segurança.

2011: Em fevereiro de 2011, as tão famosas conversas em grupo finalmente chegaram ao app. De acordo com a empresa, cerca de 1 bilhão de mensagens são enviadas todos os dias em grupos.

2013: Antes, quando você queria explicar algo de forma detalhada, você precisava digitar todas as informações. Mas em agosto de 2013 isso mudou. O app adicionou o recurso de mensagem de voz, uma das suas melhores atualizações.

2014: Naquele ano, o app atingiu 500 milhões de usuários e se uniu fundiu ao Facebook de Mark Zuckeberg. Em novembro, foram lançadas as confirmações de leitura. Um traço significa que a mensagem foi enviada; dois que a mensagem foi recebida; e, quando o ambos ficam em azul, significa que a mensagem foi lida. Isso serve para as mensagens de voz também. A função pode ser desabilitada em Configurações ou Ajustes – Privacidade –Recibos de Leitura.

2015: WhatsApp Web é lançado. Você não precisa mais pegar seu celular para conferir mensagens importantes no horário de trabalho.

2016: Entrando na era da segurança da informação e de dados, o WhatsApp lança a criptografia de ponta a ponta em abril daquele ano. O app também atinge 1 bilhão de usuários ativos todos os meses e acrescenta chamadas de vídeo aos seus recursos.

2017: Em fevereiro chegou o status. A funcionalidade, que já existia no Instagram, passou a permitir que o usuário passou compartilhasse fotos e vídeos que duram apenas 24 horas.

2018: Muito usado por empresas, negócios locais e empreendedores como ponte para a comunicação com os seus clientes, o app lançou a versão WhatsApp Business. Em julho chegaram as chamadas em grupo e em outubro as divertidas figurinhas.

2019: O que será que nos aguarda?

print