Foto: BJ1

Os vereadores da oposição cobraram do governo municipal, durante sessão ordinária na Câmara Municipal nesta terça-feira (10), um posicionamento oficial sobre as causas do acidente envolvendo um ônibus do transporte público escolar que ocorreu na noite da última sexta-feira (6). O veículo, que seguia com estudantes para o distrito de Serra dos Ventos, tombou e capotou na rodovia PE-166 nas proximidades da Barragem de Tabocas e deixou vários passageiros com ferimentos.

Uma solicitação de informação de autoria do vereador Wilsinho (PSDB) sobre o caso foi realizado durante a reunião desta terça e aprovado por todos os parlamentares presentes. “É preciso que se esclareça não só o ocorrido, mas que seja informado como está sendo feita a fiscalização da manutenção dos veículos que estão fazendo o transporte público de estudantes”, pontuo o autor do pedido.

Também da bancada de oposição, o vereador Nilton Senhorinho (PSB) questionou o município sobre o departamento de trânsito e transportes da pasta municipal da Educação. “Falaram por aí que o motivo do acidente teria sido a barra de direção do ônibus que havia se quebrado, mas nada disso foi informado oficialmente, por meio de um laudo técnico. A Secretaria Municipal de Educação possui um departamento de trânsito, então é preciso que alguém responsável por essa área se pronuncie oficialmente”, cobrou o parlamentar.

Ainda na reunião se chegou a levantar a questão de que o transporte público escolar para a zona rural deveria voltar a ser feito somente por veículos Toyota modelo Bandeirantes. Mas o vereador também da bancada oposicionista, Marcelino Monteiro (PMDB), esclareceu que o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) está irredutível quanto ao assunto. “Eu estive recentemente juntamente com os vereadores Gilvandro Estrela e Wilsinho no Tribunal de Contas [do Estado], e eles lá são firmes em afirmar que há ônibus, por exemplo, do projeto Caminhos da Escola, modelo 4×4 dentre outros tipos que são capazes de rodar em estradas rurais e que por isso os municípios não devem mais adotar as Toyotas, infelizmente”, afirmou o edil.

Imprimir