Foto: Divulgação/PMBJ

Diferente de anos anteriores, a 48° edição da Festa das Marocas, que teve início nessa sexta-feira (13), em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, não agradou ao público, que fez vários relatos de falta de organização e de segurança. O dia de abertura do evento, que segue até a terça-feira (17), contou com shows de Cristina Amaral, Henry Cássio e Samyra Show.

Pela primeira vez na história, a festa foi realizada em um local sem tradição, a Rua Coronel Antônio Marinho, o que gerou motivo de críticas por parte da população belo-jardinense que foi participar da primeira noite da Redenção, como também é chamado o evento.

“A festa aqui nesse lugar ficou muito ruim, é apertado, não tem muitas saídas de emergência como tinha quando era na avenida da prefeitura, colocaram muitas barracas e o espaço apertou muito, além da revista ali na entrada que tá bem mal feita, não gostei”, descreveu o estudante Cleberson Amaral. 

Durante a tradicional chegada do Carro da Pitú, na abertura da festa, o balão de freio do veículo apresentou falha e o carro chegou a descer de forma desgovernada durante alguns instantes pelo largo da Ponte Nova, causando tumulto e correria entre o público presente. Segundo populares, um homem teria sido atingido pelo carro, mas sem ferimentos.

Foto: Reportagem BJ1

Além do incidente, o que chamou mais atenção foi a pouca quantidade de pessoas que acompanhou o percurso do Carro da Pitú até o seu destino final, nas imediações do bar Chopp.com, espaço fora da tradição do local do carro. Também diferentemente de outros anos, o veículo ao chegar ao destino final teve o som desligado, deixando de tocar para o público as tradicionais músicas de ciranda e coco de roda que sempre fizeram sucesso por reviver as Marocas de 1970. 

Falta de segurança

A reportagem do BJ1 recebeu diversas denúncias sobre fragilidade na segurança da festa por parte da equipe de seguranças montada pelo município. De acordo com relatos do público, a revista na principal entrada do evento estaria sendo frágil e sem poder de inibir que pessoas entrassem com objetos que pudessem causar perigo ao público presente, a exemplo de facas e canivetes. Houve relatos também de que em outro local de acesso ao espaço de shows da festa, pela Rua Centenário do Rotary, bem ao lado do palco, não estava havendo qualquer tipo de revista.

Como o município encontra-se sem assessores de comunicação e imprensa, a reportagem do BJ1 fez contato pelo telefone fixo da prefeitura, na tentativa de localizar alguém que respondesse pela assessoria e se posicionasse sobre o assunto, mas ninguém foi localizado.

Neste sábado (14), sobem ao palco da festa Forró Pegada Top e Forró Vumbora.

print